Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




WP_20150819_001.jpg

 

É um título pomposo, não é?

Felicidade num bocado de renda. Mas a verdade é que não se trata apenas de um bocado de renda.

Se espreitarem histórico do blog encontrarão muitos "primeira vez". O primeiro trabalho da Carla com tintas de tecido, o primeiro vestido completo (ou melhor... acho que só encontram o início porque ela não publicou o resultado), o primeiro amiguiri, o primeiro livro em feltro de ambas,... Estamos constantemente a sentirmos-nos atraídas e inspiradas por projectos que encontramos na internet.

Um passatempo como estes, é uma fonte de felicidade porque:

1. É uma conclusão sustentada em estudos científicos que, se duas pessoas fizerem a mesma actividade (por exemplo de lazer), a que a faz pela primeira vez, terá uma maior sensação de bem-estar; a novidade entusiasma e é excitante;

2. Aprender coisas novas aumenta o nosso bem-estar, a nossa auto-confiança e o nosso sentimento de crescimento pessoal;

3. Tarefas activas (por exemplo, fazer exercício) resultam em maior satisfação e sentimento de tempo bem utilizado, que tarefas passivas (por exemplo, ver televisão);

4. Passatempos são uma actividade que ajuda a controlar o stress.

 

Por isso, esta primeira amostra de renda de bilros, depois de muito fazer e desmanchar (no processo de aprendizagem), é mesmo um bocadinho de felicidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Este vídeo, porque tem um projeto completo, do início ao fim, está a ser a nossa base de trabalho. Poderão ver como colocar o molde de trabalho, como encher o bilro, como fazer o nó corrediço e como começar e rematar.

 

Não encontramos um outro vídeo tão bem conseguido em língua portuguesa. Se encontrarem, por favor partilhem.

 

Para poder ir seguindo com calma o vídeo, nada como utilizar as definições para reduzir a velocidade do vídeo. Fica a dica.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eu e Carla estivemos na Feira Nacional de Artesanato de Vila do Conde onde a renda de Bilros é rainha. Ficamos completamente enlevadas pelo que vimos e francamente motivadas para experimentar.

Mas experimentar bilros, pareceu-nos um projecto tão ambicioso como custoso, tendo em conta os materiais que exigiam. 

bilros.JPG

 

Foi aí que arregaçamos as mãos e fomos em busca de versões DIY. 

 

ALMOFADA

Rapidamente descobrimos que a renda de bilros não é exclusiva de Portugal e já era mencionada em textos italianos do séc. XV.  Descobrimos igualmente que não existe apenas um modelo de almofada. A foto abaixo (Aracne) foi o momento em que deixei de namorar a renda de bilros para passar a acreditar que conseguiria fazer os materiais. 

b1.JPG

 

Depois vi a imagem seguinte e percebi que a diferença entre ter uma almofada em rolo e uma plana, tem muito mais a ver com o trabalho a executar, que com outra coisa:

b2.JPG

Também encontramos uma rendilheira que utilizava placas de cortiça e algumas ainda que criavam a sua almofada bastante sofisticada.

 

A nossa almofada de bilros DIY

DSC_0036.JPG 

A nossa almofada não é nada mais que um bocado de esponja com tecido a embrulhar (como um presente) e com alfinetes a prender o tecido. APENAS ISSO. 

Fizemos 3 almofadas em cerca de 10 minutos.

Basicamente, deverão ter um material em que possam espetar alfinetes sem que estes caiam. 

 

BILROS

Os bilros são os pauzinhos de madeira onde enrolamos a linha a utilizar. Também aqui há tantos os bilros como as culturas em que a renda é feita, dos mais simples aos mais artilhados. 

Das nossas investigações percebemos que é uma boa ideia os "decorar" em pares, porque se torna mais fácil trabalhar a renda. 

Rapidamente percebemos que é possível improvisar bilros até com molas da roupa ou com papel.

b3.JPG

 

 

BILROS DIY

DSC_0039.JPG

 

Os nossos bilros foram feitos com paus de espeto cortados com 11 cm. Nos da fotos, utilizamos fita cola colorida para dar o volume habitual. O volume que tem a secção superior do bilros, pareceu-nos importante para que o nó corrediço do fio não se solte.

 

A LINHA

As linhas utilizadas para a realização de rendas de bilros são tão diversas que nem nos preocupamos com isso. Vimos utilizarem linha de crochet e como já temos alguma, é a eleita.

A título exemplificativo, as renda de bilros entrou no Guiness Book of Records com linha nº 20. 

DSC_0037.JPG 

Vejam a forma engenhosa como a Carla prendeu um alfineteiro à almofada. Claro que aqueles alfinentes não serão suficientes.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Follow Me on Pinterest


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D